Governo do Estado elabora cartilha com orientações contra crimes virtuais

Instituto de Segurança Pública registrou aumento de 273% neste tipo de ocorrência entre os meses de março e agosto deste ano, período da pandemia


Pedir comida ou conversar com parentes por meio de aplicativos foram atividades recorrentes durante a pandemia. Forçadas a ficar em casa durante o período de isolamento social, muitas pessoas recorreram a transações realizadas no meio virtual. O cenário favorável despertou também ação de estelionatários, que passaram a aplicar golpes usando a internet, incluindo as redes sociais. Atento a este movimento, o Governo do Estado elaborou uma cartilha com orientações e dicas de especialistas em segurança virtual da Secretaria de Polícia Civil e do Procon-RJ.
“A cartilha, lançada pelo Governo do Estado, é um marco na defesa da sociedade, além de um importante instrumento de proteção ao usuário neste novo mundo tecnológico repleto de armadilhas. Muitos desses crimes no ambiente virtual ainda são desconhecidos por grande parte da população” – afirmou o secretário da Polícia Civil, delegado Allan Turnowski.
Dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) apontam aumento de 273% neste tipo de crime entre os meses de março e agosto deste ano, número quase quatro vezes maior quando comparado ao mesmo período do ano passado. Um dos mais recorrentes golpes é o que tenta furtar senhas de acesso dos usuários por meio do envio de mensagens – via e-mails, SMS, WhatsApp. Os criminosos se passam por empresas privadas e bancos e solicitam a atualização ou confirmação de informações sobre a conta. O objetivo é redirecionar o usuário para uma página falsa para roubar as informações inseridas ou instalar um vírus no seu dispositivo.
“O Procon desenvolve um trabalho preventivo de orientação. A cartilha terá um papel importante ao esclarecer as pessoas. Com cidadãos informados, podemos reduzir as chances de as pessoas caírem em golpes e fraudes. Sempre que tomarmos ciência de um novo golpe, vamos orientar para proteger os consumidores” – disse o presidente do Procon-RJ, Cássio Coelho.

Whatsapp: é preciso ficar atento
O Whatsapp, aplicativo de troca de mensagens, tão popular, passou a ser uma ótima ferramenta para vendas. Muitas pessoas que empreenderam durante a pandemia começaram a usar o Whatsapp para comercializar seus produtos e serviços. Com a divulgação dos celulares, um golpe vem crescendo: a habilitação do aplicativo em outro aparelho. Isto é possível com o uso de uma senha que é enviada por SMS.
O golpista entra em contato com a vítima, se passando por funcionário de um site. Ele explica que será enviado um SMS com uma senha e solicita os números para validar o anúncio. Assim que a vítima informa o código, os criminosos passam a ter controle sobre o seu WhatsApp. Passando-se pela vítima, passam a pedir dinheiro para todos os seus contatos. Por isso, os especialistas recomendam aumentar a segurança do Whatspp por meio da ativação da confirmação em duas etapas.
Os especialistas em segurança digital da Polícia Civil fluminense são enfáticos: nunca abra anexos ou links de mensagens que não foram solicitadas e, em hipótese alguma, forneça seus dados pessoais.

Procon: atenção na hora das compras online
Órgão de proteção do direito do consumidor, o Procon-RJ também auxilia os consumidores que optam pelas compras online. É muito comum e mais prática a aquisição pela internet, mas os profissionais lembram que é preciso estar atento a alguns itens antes, durante e depois da compra.
Uma dica é quando ainda estiver pesquisado sobre o produto. Por mais que sejam tentadores, preços muito abaixo do mercado são indícios de golpe ou de ser uma mercadoria roubada. Por isso, desconfie de valores e promoções. Outro ponto de atenção é pesquisar em sites conhecidos e buscar informações sobre a reputação da empresa. Os endereços eletrônicos que possuem certificado digital e selo de segurança começam com “HTTPS” e também um ícone em forma de cadeado fechado. No ato da compra, é preciso verificar se há canais de comunicação para eventuais reclamações ou dúvidas dos consumidores. Após o pagamento, é importante salvar o registro de todo o passo a passo da compra. Guarde todos os e-mails de confirmação do pedido, pagamento e qualquer outra comunicação que receba da loja.

Guarde comprovantes e registre a ocorrência
Caso o usuário tenha sido vítima de estelionato virtual, é fundamental registrar a ocorrência em uma delegacia. Segundo a Polícia Civil, é a partir dos boletins que é possível dar início às investigações que podem chegar aos autores dos crimes. Leve todos os documentos, o aparelho celular e demais itens que possam comprovar o crime, inclusive prints (cópia da tela) de computadores e celulares.

Se a fraude tiver ocorrido a partir de uma relação de consumo (compra de bem ou serviço), abra uma reclamação pelo www.procononline.rj.gov.br ou pelo app Procon RJ.

%d blogueiros gostam disto: