Trabalho da Emater-Rio para melhorar o café carioca rendeu prêmios no Primeiro Rio Coffee Nation

Neste fim de semana aconteceu a primeira edição do Rio Coffe Nation, evento internacional dedicado ao segmento de cafés especiais e orgânicos. E os grandes vencedores da competição de Melhor Café Torrado para Expresso foram produtores do Interior do Rio de Janeiro. O Café MN, de Porciúncula, ficou em primeiro lugar, e o Café Fazenda Pinheiro, de Varre-Sai, levou o segundo lugar.
O responsável pelo café MN, produzido em Porciúncula, é o produtor rural Ênio Geraldo Marqueline Neles, de 40 anos, ele diz que a família produz café há três gerações, e agora, ele está buscando cada vez mais, melhorar a qualidade do café, sempre com o apoio dos técnicos da Emater-Rio.
“Graças a Deus nós temos o apoio da Emater-Rio, porque sozinho a gente não consegue chegar a lugar nenhum. E eu tenho um contato muito bom com eles, eu ligo, converso por telefone, eles me ajudam com as novas tecnologias, me ajudam com o pós-colheita e na comercialização. Até na hora de preparar o café para o concurso eles dão todo o suporte. Sempre procuro os técnicos da Emater-Rio para conseguir fechar o trabalho”, afirmou.
O produtor do café Fazenda Pinheiro, que ficou em segundo lugar no concurso, Manoel Felipe Medeiros de Faria, de 33 anos, começou o cultivo em Varre-Sai há três anos, ele diz que a conquista foi uma surpresa.
“Aqui a gente tem uma parceria muito grande com a Emater-Rio. Os técnicos vão até a propriedade, fazem as recomendações de adubos, ensinam as novas técnicas de colheita e secagem. A Emater-Rio é o nosso norte. Eles nos ajudam a chegar nos melhores resultados. E esse resultado foi uma surpresa, eu não imaginava, porque tinha muito café de qualidade produzido no Brasil. E esse lote por exemplo, eu mesmo torrei e não esperava chegar tão longe, eu estou muito feliz com essa posição”, concluiu.

O trabalho não para!
O trabalho da Emater-Rio que ajuda os produtores na busca pela melhor qualidade do café tem cerca de 10 anos. São benefícios que vão da escolha da planta que será cultivada, passa pelo pós-colheita e chega a comercialização, tudo usando o que há de mais tecnológico na produção de cafés no Mundo.
O Gustavo Pereira Polido, Extensionista Rural do escritório local da Emater-Rio em Varre-Sai e trabalha com os cafés da Região Noroeste há quatro anos. Ele explica que um diferencial para os resultados de qualidade do café da região é a boa aceitação dos produtores para as tecnologias que os extensionistas da Emater-Rio trazem para o campo.
“Muitos processos são diferentes, o trato cultural, as adubações, o controle de pragas e doenças, e depois ainda tem o pós-colheita, que é fundamental para garantir a qualidade do café. Neste ponto a aceitação do produtor às novas tecnologias é fundamental. Eles têm uma dedicação para manter todos os processos e chegar a qualidade do café”, disse Gustavo.
O também Extensionista Rural, Flávio Gonçalves de Souza, trabalha no escritório local da Emater-Rio em Porciúncula. Ele explicou que outro fator importante neste trabalho, é a sucessão familiar.
“Um dos nossos objetivos é manter o produtor no campo, porque nós percebemos que durante os anos, muitos jovens deixam a produção da família e se mudam para os centros urbanos. Mas, com esse trabalho, nós vemos que a maioria dos produtores que estão acreditando na melhoria e na qualidade do café é jovem, e eles estão vendo os resultados em um curto espaço de tempo. Antes eles vendiam o café para um atravessador com o preço fixado, agora eles estão fazendo até venda direta para o consumidor, além de entregar para grandes empresas do setor, isso garante o jovem no campo”, concluiu.

%d blogueiros gostam disto: