Morre o ator Sean Connery, aos 90 anos

O ator Sean Connery morreu aos 90 anos, de acordo com a BBC. O ator Thomas Sean Connery nasceu na cidade escocesa de Edimburgo (Reino Unido) em 25 de agosto de 1930. Filho de um caminhoneiro e de uma faxineira, o ator lembrou da pobreza que viveu em sua infância, da qual não tinha consciência porque era a situação pela qual todos os seus vizinhos passaram. Ele parou de ir à escola aos 13 anos e foi trabalhar como entregador de leite. Aos 16 anos ingressou na Marinha, com a intenção de permanecer sete anos de serviço, mas a deixou aos 19 anos.
Após seu retorno à vida civil, ele executou vários trabalhos menores em construção ou funerárias, além de ser modelo na Escola de Belas Artes de Edimburgo. Em 1953 participou da eleição de Mister Universe em Londres, onde atraiu a atenção de um diretor teatral que lhe ofereceu um papel no musical South Pacific. Foi então que o ator decidiu fazer seu nome artístico Sean Connery. Ele começou a atuar em filmes e programas de televisão na BBC. Em 1957 fez Vítima de uma Paixão, com Lana Turner, do diretor Lewis Allen.
Durante as filmagens ela brigou com Johnny Stompanato, namorado da atriz, no mesmo set. Havia rumores de que Connery tinha um caso com Turner, o que teria desencadeado o incidente. Mas foi em 1962 encarnou o personagem que o catapultou para a fama, James Bond, o agente 007 dos serviços secretos do Reino Unido na adaptação cinematográfica do romance Doutor No, de Ian Fleming. O extraordinário sucesso popular de 007 contra Doutor No foi seguido por mais seis episódios da série de filmes com o mesmo personagem estrelados por Sean Connery: Moscou contra 007 (1963), Goldfinger (1964), 007 contra a chantagem atômica (1965), Com 007 só se vive duas vezes (1967), Os Diamantes são eternos (1971) e Nunca mais outra vez (1983).
O ator não ficou rotulado pelo seu mais famoso personagem, pois participou de projetos e grandes diretores , como no filme de guerra O Mais longo dos dias (1962), Marnie, Confissões de uma ladra, de Alfred Hitchcock (1964) ou A colina dos homens perdidos, de Sidney Lumet (1965) . Seu papel como monge-detetive no filme O Nome da Rosa, de Jean Jacques Annaud (1986), baseado na peça homônima de Umberto Eco, foi premiado pela Academia Britânica de Cinema e em 1988 ganhou o Oscar de melhor ator coadjuvante por Os intocáveis, de Brian de Palma. Em 2008 publicou sua autobiografia, intitulada Being a scot.
Teve problemas com a justiça suíça em 2009 por alguns negócios feitos 30 anos antes com um investidor cujos descendentes estavam reivindicando dinheiro de um empréstimo. Um ano depois, a justiça espanhola reivindicou sua declaração como réu pela reclassificação irregular das terras em Marbella onde ele tinha sua residência, mas o ator não apareceu na data marcada alegando problemas de saúde.
Sean Connery era um grande fã de golfe e expressou repetidamente seu apoio à causa da independência da Escócia. Ele foi casado com a atriz Diane Cilento entre 1962 e 1973 e tiveram um filho. Ela o acusou de maus-tratos e o ator fez algumas declarações apologéticas de violência contra as mulheres. Em 1975 ele se casou com a pintora Roquebrune Micheline, sua esposa até o fim de sua vida.

Do Folhapress

%d blogueiros gostam disto: