Firjan articula parceria público-privada para conservação e segurança do Arco Metropolitano

Empresários da Firjan se reuniram nesta quinta-feira (28/1) com o governador em exercício, Cláudio Castro, e o presidente da Assembleia Legislativa, deputado André Ceciliano, para discutir melhorias de conservação e de segurança para o tráfego de passageiros e de cargas no Arco Metropolitano (BR-493), na Baixada Fluminense, artéria econômica que serve de acesso e ligação ao Porto de Itaguaí, aos distritos industriais de Campos Elíseos (Polo Petroquímico) e de Santa Cruz, e à base de submarinos da Ilha da Madeira (Marinha).
As autoridades assistiram à apresentação do Projeto Arco Seguro, idealizado pela Firjan, que prevê a construção de uma parceria público-privada para viabilizar o potencial logístico da rodovia, atualmente subutilizada em função da violência, de ocupações irregulares e de vandalismo, como a destruição dos postes de iluminação pública. A expectativa inicial era de fluxo diário de 30 mil veículos, mas atualmente é metade desse volume.
Grupo de trabalho capitaneado pela Firjan já identificou necessidades de infraestrutura mínimas, emergenciais e indispensáveis ao funcionamento pleno, eficiente, seguro e permanente do Arco (iluminação, assistência veicular, socorro a acidentes, entre outras). Para a execução destas ações, a ideia é criar um fundo com recursos públicos e privados para financiamento do projeto, que seria investido rapidamente em infraestruturas necessárias como por exemplo, câmeras de monitoramento e drones. Outro eixo importante do Arco Seguro é criar uma governança que permita o mapeamento constante de irregularidades e ações para mitigá-las.
Vice-presidente da Firjan e presidente do Conselho Empresarial de Defesa e Segurança Pública da casa, Carlos Erane de Aguiar destacou que uma das metas do projeto é zerar os índices de roubo de cargas na via até dezembro. “Infelizmente o Arco hoje é conhecido como a Rodovia do Medo. E por ser a Rodovia do Medo, ela é subutilizada impedindo a retomada mais forte do crescimento do Rio de Janeiro. Nosso desafio é que o Arco Metropolitano seja conhecido como a rodovia mais segura do Brasil. Estamos propondo um projeto viável e bem planejado, que permitirá a expansão de diversas capacidades produtivas do Rio através da infraestrutura necessária para o escoamento das riquezas do estado e do Brasil”, defendeu o empresário.
Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, presidente da Firjan, ressaltou que o Arco Metropolitano é fundamental para a economia fluminense e do país, na medida em que propicia a interligação entre três outras importantes rodovias federais brasileiras, diminuindo custos logísticos das empresas e, consequentemente, aumentando a competitividade do estado. “Trata-se da primeira grande agenda da Firjan em 2021. Esta proposta de parceria público-privada é um dos pilares do Programa de Retomada da Economia do Estado do Rio de Janeiro em bases competitivas, que visa contribuir para o resgate do desenvolvimento econômico e social no estado do Rio”, avaliou.
O governador em exercício, Cláudio Castro, afirmou crer que a união de esforços entre as instituições é que trará melhorias na segurança pública. “Quando assumi a vice-governadoria, chegamos a apresentar ao Ministério da Infraestrutura a proposta de reverter a federalização do Arco, trazendo novamente para a gestão estadual, já que, até então, a rodovia não era tratada como prioridade. Vias como o Arco Metropolitano, que são celeiros para diversos crimes, inclusive o roubo de cargas, continuam mal policiadas. Com as parcerias e a integração das forças policiais, temos a plena condição de transforma o Arco numa via segura”.
Já o deputado estadual André Ceciliano, presidente da Alerj, acredita que união e planejamento de ações podem garantir o desenvolvimento econômico fluminense. “Eu acredito no Arco Metropolitano! Como representantes do poder público, cabe a nós retirarmos as pedras do caminho, limpar a pista para os que querem investir no nosso estado. Como a via está pronta, precisamos torná-la segura para que as empresas tenham a certeza de que seus produtos vão chegar aos seus destinos. O Arco é um megaprojeto rodoviário capaz de atrair investimentos para a geração de emprego e renda aos oito municípios às suas margens e também à Zona Oeste do Rio de Janeiro”, analisou o parlamentar.

Corredor logístico
O Arco liga os municípios de Itaboraí e Itaguaí, atravessando também Guapimirim, Magé, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Japeri e Seropédica, na Baixada Fluminense, totalizando 145 quilômetros de extensão. O trecho de pouco mais de 70 quilômetros, entregue em 2014, vai do entroncamento da BR-040 (Rio-Juiz de Fora), em Duque de Caxias, ao acesso ao Porto de Itaguaí na BR-101 (Rio-Santos), cortando as rodovias BR-465 (antiga Rio-São Paulo) e BR-116 (Via Dutra).
Antigo pleito da Firjan, a obra do primeiro trecho do Arco teve início em 2007. Na época de sua inauguração, a estimativa do governo do estado era tirar oito mil caminhões e 20 mil carros da Rodovia Presidente Dutra e da Avenida Brasil. O projeto original do Departamento de Estradas de Rodagem do Rio de Janeiro (DER-RJ) remonta à década de 70, ainda com a denominação rodovia RJ-109.

%d blogueiros gostam disto: