Tráfico e milícia disputam favelas do Rio que rendem R$ 1,5 milhão por semana

A guerra do Rio teve ontem pela manhã um de seus desdobramentos mais sangrentos: 16 pessoas foram baleadas durante uma operação da Polícia Militar em oito comunidades das zonas Norte e Oeste. Dez morreram e seis estão hospitalizadas. Segundo a corporação, todas tinham envolvimento com o tráfico ou a milícia, que, de acordo com investigações, brigam pelo controle de uma região que rende aproximadamente R$ 1,5 milhão por semana através da exploração de negócios irregulares — venda superfaturada de botijões de gás e galões de água mineral, oferta de sinal clandestino de TV por assinatura e taxas de segurança cobradas de mototaxistas, motoristas de vans e comerciantes, entre outros.
Os tiroteios começaram antes mesmo de o sol nascer. Por volta das 5h, policiais deram início à operação, que teve como objetivo acabar com uma disputa por territórios entre milicianos e traficantes que já dura quase dois meses. As oito comunidades que foram alvos da operação estão englobadas numa região que se estende por vários bairros, incluindo Quintino, Piedade, Madureira, Pilares, Engenho da Rainha, Praça Seca e Água Santa. Mas até em locais que estavam fora do raio de ação da polícia, como o Engenho de Dentro, foi possível ouvir as trocas de tiros. “Hoje, nessa parte da Zona Norte, ninguém entra, ninguém sai”, escreveu um morador no Twitter. “A Zona Oeste acorda mais uma vez ao som de disparos. Até quando?”, postou um internauta de Jacarepaguá.
Parentes dos mortos e feridos durante a operação foram a hospitais, mas não quiseram dar entrevistas.
Para a PM, apesar do alto número de baleados e do clima de pânico que tomou vários bairros do Rio, o saldo da operação foi positivo. Quatro suspeitos estão presos, e foram apreendidos cinco fuzis, uma submetralhadora, seis pistolas, duas granadas, radiotransmissores e uma grande quantidade de drogas.
— Tivemos esse grande número de mortes por conta de marginais que resistiram duramente à ação policial — disse o major Ivan Blaz, porta-voz da corporação, acrescentando que o tráfico e a milícia sofreram um duro golpe da PM. — Tínhamos de intervir na guerra do crime organizado.
Também ontem, 14 pessoas foram presas pela Polícia Civil por suspeita de envolvimento com a milícia que atua na Gardênia Azul, na Zona Oeste. Durante a operação, agentes interditaram um edifício em construção. Cada um de seus 14 apartamentos foi colocado à venda por R$ 140 mil. Também foram fechados um depósito de cestas básicas e uma loja de roupas falsificadas.

Fonte: Extra on Line

ED 531-CLIQUE AQUI

%d blogueiros gostam disto: