Aos 87 anos, Rádio Roquette Pinto estreia nova programação

Há 87 anos no ar, a Rádio Roquette Pinto resgata seu nome e seu propósito histórico com uma programação renovada e focada em educação, cultura e prestação de serviços, sempre com muita música de qualidade. A emissora promete abrir espaço para aqueles que não têm voz, falando de todo o estado do Rio de Janeiro e das pessoas que aqui vivem.
“A gente está voltando às origens intelectuais, culturais e simbólicas daquela que é uma das rádios mais queridas pelos cariocas. Foi ali que nasceu o Boni (José Bonifácio de Oliveira Sobrinho), é o lugar por onde Silvio Santos, Antônio Carlos e tantos outros passaram – comentou Thiago Gomide”, diretor-presidente da Roquette Pinto.
Os novos programas de jornalismo são “O Rio em Pauta”, com Ermelinda Rita, e “Almanaque”, com Mônica Bittencourt. O Rio em Pauta vai trazer muita informação e prestação de serviço. Já o Almanaque apresentará um foco mais cultural e educativo. O quadro “Tá na Escola” é um exemplo dessa nova Roquette Pinto: um lugar onde o educador – seja ele diretor, professor ou merendeiro – possa participar e se sentir em casa.
“A presença da Ermelinda Rita vem para dar mais credibilidade. Uma jornalista com muitos anos de experiência e que é muito exigente quanto à apuração jornalística. Também temos o Che Oliveira, vencedor do Prêmio Tim Lopes de Jornalismo Investigativo, nas reportagens. Foi montada uma equipe técnica que, como os voluntários, acredita no papel da radiodifusão pública”, contou o coordenador de jornalismo, Pablo de Moura.
Ao longo de sua história, a rádio teve outros nomes, mas nunca deixou de ser carinhosamente chamada pelos ouvintes de Roquette Pinto. Em sua concepção, o fundador, Edgard Roquette Pinto, médico, professor, escritor e antropólogo, sempre lutou por uma emissora capaz de elevar o nível cultural do país.
Uma forma de dar seguimento nesse conceito voltado para a educação é o Laboratório Roquette Pinto, um programa da rádio de capacitação de estudantes e professores. Hoje, os universitários já vão até lá para ter essa experiência no jornalismo radiofônico. Agora, o programa também vai ser aberto para colégios e escolas.
A programação artística será comandada pelo cantor Toni Platão, que em seus quase 40 anos de carreira promoverá a integração entre cultura e educação para mudar a cara da rádio, abrindo espaço para outros órgãos do governo, como a Secretaria de Cultura, que por meio da Escola de Música Villa-Lobos vai ter um espaço na grade. O esporte continua presente, tomando uma forma de aproximação do público e permitindo outras formas de se aprender.
A parceria com os outros órgãos do governo é um dos focos da nova gestão. Vem sendo desenvolvido um projeto de troca de acervos entre Roquette Pinto e o Museu da Imagem e do Som (MIS). A rádio vai entregar ao museu a sua obra para tratamento e posterior disponibilidade para o público. Enquanto isso, o acervo do MIS vai ser levado para a emissora, permitindo que as equipes de jornalismo e artística possam aproveitar o material e também contar fatos relacionados ao museu, que conta com mais de 350 mil obras.
“Essas parcerias com as outras áreas do governo são muito importantes. A Roquette Pinto vai ser um ponto de encontro de muitos. Ela não pode ser apenas uma rádio, ela vai ser uma produtora de conteúdo, que também vai ter vídeo e texto. O principal é a rádio, mas a emissora é muito mais do que isso”, explicou Thiago Gomide.

ED 531-CLIQUE AQUI

%d blogueiros gostam disto: