qui. out 21st, 2021

Trabalho arqueológico no jardim do Palácio de Cristal, em Petrópolis, pode resultar em descoberta de material do século XIX

A equipe de arqueologia começou a atuar no local nesta semana buscando relíquias


A movimentação iniciada nesta semana no jardim do Palácio de Cristal, um dos principais cartões postais de Petrópolis, vem chamando a atenção de quem passa pela região, no Centro da cidade. No local, uma equipe trabalha em pesquisa arqueológica para investigar a existência de material histórico e cultural no terreno. O trabalho faz parte do projeto de reforma do palácio, construído no século XIX para cultivo e exposições de hortícolas.
As ações em campo foram iniciadas após liberação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Uma equipe de arqueólogos está trabalhando na terra retirada das valetas escavadas no início da reforma do espaço. Máquinas peneiram a terra e ajudam na busca por materiais com relevância histórica e cultural. Além dos arqueólogos, a empresa contratada para o serviço possui em seu staff uma historiadora, que fará a ligação das possíveis descobertas ao contexto histórico do Palácio de Cristal.
“O Palácio de Cristal é um monumento de extrema importância para Petrópolis. O local já foi usado como espaço de exposição hortícola e, no século XX passou a ser sede de diversos eventos. Assim permanece até hoje”, diz Roselene Martins, historiadora da Grifo Arqueologia, contratada pela Engeprat, empresa responsável pelas obras do palácio, após licitação realizada pela Prefeitura. “O trabalho arqueológico serve para resgatar a cultura material do Palácio, para recuperar os vestígios de todas as pessoas que passaram por aqui durante esse tempo”, explica.
Neste primeiro momento, o trabalho dos arqueólogos será analisar toda a terra retirada na abertura das valetas para aterramento dos fios da rede elétrica do Palácio. A expectativa é que no processo sejam encontrados vestígios de material cultural de até 150 anos.
“Aqui já foram encontrados no primeiro dia, alguns fragmentos de louças do século XIX e vidros provavelmente de procedência italiana. Após esse trabalho de peneiramento dessas valas abertas que envolvem o palácio, serão feitas algumas sondagens e o monitoramento contínuo das obras que serão feitas aqui”, detalha Giovani Scaramella, arqueólogo que é diretor da empresa que executa o serviço especializado no Palácio de Cristal.
O Palácio de Cristal é responsável por contar parte da história do Brasil. Localizado na cidade planejada pelo imperador D. Pedro II, foi erguido em um local onde ficava a Praça da Confluência ou de Passeio Público, onde aconteciam exposições hortícolas e cultos religiosos públicos. A construção ocorreu no ano de 1884. Uma estrutura pré-montada foi encomendada da Sociedade Anônima Saint-Souver Lês Arras, na França pelo Conde d’EU e inspirada no Palácio de Cristal de Londres e no Palácio de Cristal do Porto. Trata-se de um presente entregue à sua esposa Princesa Isabel para que ela pudesse cultivar suas flores e hortícolas.
Para o prefeito interino Hingo Hammes, que vinha trabalhando junto da equipe da secretaria de Obras e da empresa licitada para autorizar o reinício dos trabalhos nos jardins, os cuidados com o Palácio de Cristal são importantes para a manutenção de um local tão representativo não apenas para os petropolitanos, mas para os brasileiros. “Este trabalho de arqueologia é importante para auxiliar no resgate da história de um local por onde tantas pessoas já passaram. É um patrimônio da nossa cidade, por onde passa a história do desenvolvimento do município e onde acontecem nossos principais eventos, como a Bauernfest, consolidada como a segunda maior do gênero no país. A retomada dos trabalhos nos jardins palácio e a expectativa de termos todo o espaço reaberto ainda este ano traz uma enorme alegria”, frisa.
Para o Secretário de Obras Maurício Veiga ver o trabalho acontecer é um presente ao esforço conjunto para entregar o espaço revitalizado. “Desde que assumi a Secretaria de Obras em janeiro a convite do prefeito interino Hingo Hammes, uma das minhas prioridades é devolver ao povo esse monumento tão importante para Petrópolis, e estamos avançando cada vez mais para cumprir essa missão”, disse.

Trabalhos paralisados
O trabalho de arqueologia faz parte do trabalho de obras no Palácio de Cristal. Os trabalhos tiveram início em 4 de outubro de 2019 e os serviços nos jardins foram paralisados no início de fevereiro de 2020 por uma determinação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), que solicitou acompanhamento arqueológico. Ao longo de 2020, a empresa vencedora da licitação acabou desistindo dos trabalhos e a segunda colocada – Engeprat – assumiu o serviço em setembro.
Neste ano, ao assumir o governo municipal, a gestão interina se empenhou e passou a atuar junto à empresa para garantir a retomada dos trabalhos. Em março, as equipes chegaram a iniciar serviços no terreno (sem, no entanto, mexer nos jardins), enquanto preparava a contratação do arqueólogo e, em seguida, a elaboração do projeto arqueológico. Tudo com o apoio da Secretaria de Obras. O projeto foi enviado para aprovação do IPHAN e, com o retorno positivo do órgão de preservação, o trabalho arqueológico começou nesta segunda-feira 24 de maio.

ED 531-CLIQUE AQUI

%d blogueiros gostam disto: