sáb. jan 22nd, 2022

10 dicas para não cair em golpes na Black Friday 2021

Se você está ansioso para as promoções da Black Friday 2021, é importante que você saiba todos os detalhes em relação aos golpes que ocorrem nessa época. Dentre eles, temos o golpe com cartão de crédito, com boleto e agora até com o Pix.
Contudo, a intenção dessa matéria não é desencorajar você a comprar o tão desejado smartphone ou sua nova televisão, mas sim mostrar as formas mais comuns de golpes para que você não caia em golpes na Black Friday, que vão além do pagamento e já podem começar no seu e-mail ou nos grupos de WhatsApp.
A data oficial do evento é sempre na última sexta-feira de novembro, o que calha de ser no dia 26 esse ano, mas os sites de e-commerce já estão na ativa com promoções adiantadas e aquilo que já é bem conhecido como “metade do dobro”, onde a empresa sobe o preço do produto alguns dias antes para que o preço de antes seja colocado como promoção.
Quer saber mais detalhes para não cair em golpes na Black Friday e ficar totalmente antenado com as promoções? Vem com o Showmetech nessa matéria que vai te explicar tudo sobre o assunto.

Golpe com cartão de crédito
O já famoso golpe com cartão de crédito costuma pegar muitas pessoas de surpresa. Nesse caso, os criminosos ligam para a vítima e se passam por um atendente do cartão. Na ligação, eles criam uma narrativa onde seu cartão foi clonado, ou qualquer outra situação que cause desespero com relação a débitos indevidos.
Com a vulnerabilidade aplicada, os estelionatários podem pedir dados pessoais das contas bancárias, ou então pedirem para você entregar o cartão a um motoboy para passar por uma análise. Os criminosos contam com softwares para simular músicas de espera e até som ambiente de um call center.
Para evitar ser pego de surpresa, é importante que você tenha sempre os apps oficiais do seu banco ou cartão de crédito, e que você nunca passe dados como senha do cartão e código de verificação através de uma ligação telefônica.

Golpe com boleto
No caso do golpe com boleto, temos algo um pouco diferente. Aqui, os criminosos se aproveitam de dados vazados na internet para pegar aquela dívida que você tem e te dar um “descontão”. O golpe vem quando eles passam a “renegociar” essa dívida por um preço mais atrativo, o que pode convencer muitas pessoas.
Os meios para a aplicação do golpe envolvem o WhatsApp, utilizando uma conta falsa e até mesmo o que é chamado de Engenharia Social, um jeito de roubar as informações das pessoas de forma natural, utilizando e-mails ou páginas falsas e até mesmo o psicológico da vítima para que a mesma passe os dados.

Golpe com Pix
O golpe com Pix segue o mesmo raciocínio do golpe com boleto, mas de forma aprimorada. Nesse caso, por não ter limitações quanto a horários ou dias, o golpista pode se aproveitar das mais variadas formas de comunicação, sendo a principal o WhatsApp.
No caso do golpe com o Pix, o estelionatário pode ser de uma loja falsa e encaminha para pagamento um QR Code do Pix. Neste caso, como não há uma chave Pix que possa ser relacionada à pessoa que vai receber o pagamento — como um número de telefone, e-mail ou CPF — é mais difícil de rastrear o estelionatário. Há outros golpes possíveis com o Pix, veja nossa matéria completa com 6 golpes de Pix e como evitá-los

Confira a URL dos sites que usar
É muito comum surgirem anúncios com promoções fora da realidade e que enchem os olhos de quem está “passeando” nas redes sociais. Se você entrar em algum site através de um link de um grupo de WhatsApp, Telegram ou até mesmo por e-mail, é importante que verifique sempre a URL, isto é, a barra de endereço do navegador.

Muitas vezes, o golpe é tão bem feito que conseguem clonar um site por completo, desde a parte visual, até as partes finais onde envolve o pagamento. Para evitar problemas, é importante que verifique se o site contém aquele cadeado na barra de endereço, o que já garante uma maior segurança.

Prefira comprar em sites conhecidos
Escolher um site já consolidado no mercado já vai te dar uma maior segurança na hora de fazer uma compra. De qualquer forma, há muitos produtos que são mais de nicho e talvez não sejam tão facilmente encontrados nos grandes sites de e-commerce.

Uma dica de ouro: na Black Friday não é hora de comprar em sites desconhecidos; com as possibilidades de fraude, é melhor comprar em lojas já consolidadas para evitar dores de cabeça. Nessas horas se aplica a mesma regra da dica anterior: verificar o cadeado na barra de endereço e também faça uma pesquisa sobre a loja em questão. Veja como ela se sai em sites como o ReclameAqui e se julgar como uma boa opção, então faça a compra.

Cuidado com links desconhecidos
Criminosos usam e abusam de qualquer ferramenta que temos a nosso favor hoje em dia. Portanto, é importante que você tome cuidado com links que você desconhece, principalmente os que envolvem promoções com preços bons demais para serem verdade. Esses links costumam surgir em grupos nas redes sociais.

Os crimes com links acontecem porque os criminosos utilizam da empolgação do consumidor, fazendo com que o mesmo aja sem pensar. É comum que os links venham acompanhados com uma espécie de anúncio relâmpago, gerando um gatilho de oportunidade e aumentando as chances de você cair em um golpe.

Não preencha formulários com dados pessoais para ter acesso a promoções da Black Friday
Os seus dados pessoais são muito valiosos, e tendo acesso a eles, os estelionatários podem fazer compras e contrair dívidas no seu nome, e até mesmo roubar seu acesso a e-mail e outras contas pela internet.

Não passe seus dados pessoais para qualquer um ou para qualquer plataforma. Verifique se o site é seguro e coloque sempre a razão antes da emoção nesses casos. Por que um e-mail de marketing pediria seus dados pessoais? Não faz sentido.

Para compras online, use os cartões virtuais
A maioria dos bancos atuais oferecem a opção de um cartão virtual. Dê sempre a preferência para eles em compras online, afinal se der algum problema com o mesmo, você pode simplesmente excluí-lo pelo app do seu banco. Além de aumentar a segurança da compra, ainda evita a burocracia em casos mais extremos. E para aumentar a segurança, gere um cartão virtual para cada compra que efetuar, e descarte-o logo em seguida.

Confira sempre o valor na maquininha antes de digitar a senha ou aproximar o cartão
Já nas compras físicas, a preocupação é um pouco diferente, mas ainda assim muito importante. Antes de digitar a senha ou aproximar o seu cartão, confira o valor na tela da maquininha. E por falar em pagamento por aproximação, saiba que o mesmo é muito seguro, mas nunca deixe que outra pessoa passe por você — afinal, pode ter um outro valor sendo passado sem que você perceba.

Nas compras com boleto, confira quem é a empresa beneficiária
Ir até as lotéricas para pagar boletos está se tornando algo cada vez mais raro na vida das pessoas, contudo, na hora de pagar um boleto online, sempre confira quem é a empresa beneficiária e se isso bate com o que você comprou.
Aqui entram ocasiões do golpe com boleto, onde o criminoso pode tentar se aproveitar de alguma dívida da vítima e criar uma suposta negociação fantástica para quitá-la, mas na verdade estará te roubando.

Em compras presenciais, sempre confira se o cartão devolvido é o seu
É comum que as pessoas deixem que a pessoa que está te atendendo na loja passe o cartão nas lojas, ao invés do próprio cliente. No entanto, com a adição de novas formas de pagamento — principalmente a por aproximação, que inclui também os smartphones ou smartwatches — isso muda.
No caso de cartões por aproximação, é recomendado que seja sempre você que aproxime o cartão e é claro, verifique o valor antes de fazê-lo. Já quando for utilizar um smartphone ou smartwatch, verifique apenas o valor antes de aproximar o mesmo.
Já para os meios “convencionais” cabe a regra de no caso do vendedor passar o cartão para você, verifique sempre se o cartão devolvido é realmente o seu, embora eu recomende muito que você mesmo o insira.

Nunca use um computador público ou de um desconhecido para fazer compras e digitar seus dados bancários
Embora essa dica possa ser óbvia para boa parte das pessoas, é importante frisá-la. Ainda que você esteja com pressa ou qualquer que seja o motivo, use sempre dispositivos pessoais para entrar no seu banco ou fazer compras. E nunca se esqueça: ao usar um computador que não seja o seu, entre sempre com o modo anônimo habilitado no navegador.

Ative a verificação em duas etapas no WhatsApp e em outros apps
Mencionamos no começo do texto que um dos golpes que existem por aí é o de clonagem de WhatsApp. No entanto, você pode adicionar uma camada a mais de segurança não só ao mensageiro do Facebook (agora Meta), mas também a qualquer outro app que contenha dados pessoais, como bancos, por exemplo.
Com essa função ativada, sempre que tentarem fazer login no app (incluindo você), uma senha será exigida. Em alguns apps pode ser uma senha completa, mas o WhatsApp exige uma senha de apenas seis dígitos numéricos. Veja abaixo como ativar esta função de segurança.

Fonte: Portal Terra

ED 531-CLIQUE AQUI

%d blogueiros gostam disto: